História da Henna

A henna e o seu uso através dos anos

Descubra as propriedades e os usos que se deram à henna ao longo da história.

A henna é o nome árabe do arbusto Lawsonia Inermis. As folhas deste arbusto se secam e se pulverizam para fazer o que se conhece como henna em pó. Este pó, misturado com água ou com outras substâncias naturais (limão, açúcar, chá verde, óleo de eucalipto, café, etc), é o que se aplica sobre a pele ou o cabelo para tingi-lo.

A henna contém uma substância que se oxida em contato com o ar, dando a ele a capacidade de agir como corante. É originária do Oriente Médio, se estendeu por muitos países acompanhando o homem nas suas viagens. Equipagem imprescindível de muitos povos, hoje são o mundo muçulmano e o hindu os herdeiros de toda a cultura criada em torno à henna.

Foi utilizada para embelezar as mãos para ocasiões especiais como casamentos, nascimentos, gestações, etc; mas não só se utilizou como corante de pele e cabelo, mas também como perfume entre outras coisas. Apesar de que a henna se usa em muitas celebrações dentro de um contexto religioso, em si não é sagrada, não é considerada um sacramento em nenhuma religião; é simplesmente um cosmético que utilizam mulheres e homens para ficar mais atraentes, atrair a boa sorte e/ou como ornamento.

Seu uso mudou muito nos últimos anos, já que passou por diferentes tipos de culturas, a primeira evidência do uso de uma espécie de henna como corante se encontrou na múmia de Ramsés II, que mostra mãos e pés tingidos de uma cor avermelhada. Com certeza por sua beleza, por atos religiosos, etc; em todas as civilizações se usaram tatuagens permanentes ou então pinturas provisórias, tanto de uma só cor como de mil tons.

Sobretudo no mundo árabe e na Índia, a arte da pintura corporal continua sendo, ainda hoje, a expressão de um intenso culto à beleza. Madonna, Prince, Mira Sorvino e vários outros famosos popularizaram recentemente, na América e na Europa, as filigranas, os motivos florais e os desenhos geométricos da pintura corporal.


Nenhum comentário

Você pode comentar no Facebook e no Google +, ou se preferir fazê-lo de forma anônima no nosso sistema de comentários

Comente no Facebook
Comente na Innatia

Escreva seu comentário sobre "História da Henna"

Comente no Google+