As plantas como medicina e contra a hipertensão, por Facundo Bitsch

Segunda parte da entrevista com Facundo Bitsch

Na primeira parte da entrevista, o Doutor Facundo Bitsch te contou como a alimentação é uma das bases curativas por excelência. Agora, pontualmente, vai te contar sobre as plantas medicinais e falará sobre hipertensão. Não deixe de levar em conta seus conselhos!

Na semana passada com certeza você já leu a primeira parte da entrevista com o Doutor Facundo Bitsch, este médico argentino especialista em medicina natural e alimentação curativa. Ali, ele se referiu mais sobre o assunto que tem a ver com as formas de comer e de como estas repercutem sobre o organismo. Agora, é a hora de ver como as plantas e a natureza podem te ajudar a combater doenças. Não perca!

- Para começar, como foi que você começou a se envolver no mundo dos remédios naturais e das plantas medicinais?

- Quando eu era criança e adoecia, minha avó me tratava com enemas e sabia alguns tratamentos naturais que havia aprendido do livro de Lazaeta Acharan. Na idade de 13 anos ia a um parapsicólogo que me dava tratamentos naturais e na idade de 15 anos costumava ir a um iriodologista que me dava tratamentos naturais, os quais eu adorava fazer, embora me dessem muito trabalho na cozinha e para preparar os chás que me dava. Cada dia me apaixonava saber mais e mais sobre os tratamentos naturais, era um mundo oculto para mim naquele momento.

Aos 16 anos queria ser chef (cozinheiro), pois já desde criança gostava de cozinhar e comer muitas comidas doces, mas não desejava me estudar; e muito menos, se algum dia fizesse isso, não queria fazer uma carreira longa. Se houve uma carreira que eu disse "nunca vou fazer" essa foi a carreira de medicina, era algo totalmente contrário à minha natureza.

Com o tempo, as coisas mudaram, pois Deus tinha outros planos para a minha vida. Aos 16-17 anos li um livro: “Como viver saudável”. Ao lê-lo deixei de tomar definitivamente o álcool que tomava em alguma ocasião festiva e me tornei lacto-ovo-vegetariano com a idade de 18 anos. Eu me questionei então, se a alimentação influi tanto na saúde, se eu fosse cozinheiro eu estaria fazendo um mal para as pessoas, portanto me perguntei: Por que não estudar medicina e fazer um bem às pessoas? Foi assim que tudo começou com uma ideia “louca” na minha cabeça que com o tempo foi amadurecendo até dar seu fruto.

Facundo Bitsch

Medicina natural Vs Medicina alopática

- Você acha que a medicina natural, baseada no fundamento das propriedades das plantas, pode substituir a medicina alopática?

- Sim, claro que sim, fundamentalmente nos casos de doenças crônicas, que são os casos nos quais a medicina alopática não pode curar (reverter) a doença, mas é onde só trata (suprime) os sintomas dos pacientes deixando um sem-fim de efeitos adversos. Isto se deve a que a medicina alopática não trata a causa da doença, ou seja, a raiz do problema do paciente. É bom esclarecer que para isso não só a fitoterapia é suficiente, mas sim um conjunto de tratamentos que acompanham a fitoterapia de forma conjunta, que são os que utilizo para ajudar o paciente na recuperação da sua saúde.

No caso de doenças agudas, é preciso ver o caso específico e a condição específica do paciente, com base nisso ver se é possível tratar com a medicina natural e ver se a gente conta com o grupo humano necessário para dar ao paciente tratamentos de hidroterapia no caso de serem necessários.

Como tratar a hipertensão com fitoterapia

- Outro dos problemas graves destes tempos é a hipertensão arterial. Como se pode tratá-la através da fitoterapia?

- Quanto à hipertensão arterial, pode ser tratada com ervas como o visco europeu, espinheiro-branco, oliva, hibisco ou flor da Jamaica, boldo brasileiro ou rauvolfia, só para mencionar algumas ervas.

Mas de acordo com a minha experiência, o tratamento fitoterápico não é suficiente, é preciso abordar o paciente de forma integral, buscando a causa específica da hipertensão. Seja esta pela falha de um órgão, ou como se mal denomina “idiopática”, por não “saber as causas”, como é descrito nos livros de medicina, sendo as verdadeiras causas da hipertensão problemas do estilo de vida, seja o aspecto físico, mental ou espiritual da pessoa.

No âmbito físico prima a alimentação alta em gordura, com comida lixo com altíssimo conteúdo de sódio (sal), o sedentarismo, o consumo de café, chá ou mate ou outras substâncias cafeinadas, sobrepeso, só para mencionar alguns fatores. No aspecto mental a preocupação, o estresse, não curtir a vida, a ira, a raiva. E no âmbito espiritual a culpa ou o rancor, como ficou demonstrado por estudos no Hospital Adventista da Flórida.

- Por último, este espaço é para que você acrescente o que achar necessário e, claro, nos conte onde se podem ver habitualmente seus trabalhos.

- Quem quiser, pode visitar www.medicinaintegralnatural.com, onde encontrará depoimentos de pessoas, conselhos, novidades, notícias e muito mais.

Como você pode ver, o Doutor Bitsch também tem sido modificado, de certa forma, pelo hábito natural, pela alimentação natural e as plantas. Talvez também possa ser a sua vez a qualquer momento? É só uma questão de começar.

¡Não deixe de ler a primeira parte desta entrevista!

IMPORTANTE: A missão do "As plantas como medicina e contra a hipertensão, por Facundo Bitsch" é te ajudar a estar informado. NUNCA substitua a consulta médica.

Nenhum comentário

Você pode comentar no Facebook e no Google +, ou se preferir fazê-lo de forma anônima no nosso sistema de comentários

Comente no Facebook
Comente na Innatia

Escreva seu comentário sobre "As plantas como medicina e contra a hipertensão, por Facundo Bitsch"

Comente no Google+